sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

E lá se vai 2017

E lá se vai mais um ano. E que ano difícil foi esse. O jazz perdeu figuras importantes em 2017. Como não sentir a falta do cantor Al Jarreau, que faleceu em fevereiro, aos 76 anos?

Outro mestre da voz que morreu foi Jon Hendricks, que na década de 1950 fez parte do trio Lambert, Hendricks & Ross. Hendricks faleceu aos 96 anos, em novembro.

Outra perda foi o guitarrista John Abercrombie, em agosto, aos 72 anos, Abercrombie foi um dos mais inventivos músicos do século XX. Sua trajetória mostra o quanto ele pregava a liberdade artística e a ousadia na hora de compor e de mostrar sua arte.

Mas a grande surpresa foi a morte prematura da pianista Geri Allen (foto ao lado), aos 60 anos, vítima de câncer, em junho.

Pianista, compositora e educadora, Geri era uma artista discreta, é verdade, mas muito respeitada entre jazzistas, críticos e na área acadêmica. Um dos últimos discos da pianista foi ao lado do saxofonista David Murray e da batersta Terri Lyne Carrington.

Outras duas perdas também deixaram os fãs de jazz surpresos. O cantor Kevin Mahogany e o guitarrista Chuck Loeb. Mohagany morreu aos 59 anos, em dezembro. Na década de 1990, Mahogany lançou ótimos álbuns pela gravadora Warner, entre eles Another Time, Another Place e My Romance.

Loeb morreu aos 61 anos, em agosto, de câncer. Por três décadas, o músico gravou vários discos solos e participações em álbuns de Stan Getz e Step Ahead.

Atualmente, além da carreira solo, ele era integrante do grupo Fourplay. Ele entrou no lugar do guitarrista Larry Carlton.

2017 também foi o ano em que comemoramos o centenário de três ícones do jazz: Thelonious Monk, Dizzy Gillespie e Ella Fitzgerald.

Um dos presentes mais festejado pelos fãs de Ella foi o lançamento do disco Ella At Zardi's, gravado ao vivo em 2 de fevereiro de 1956.

Essa preciosidade ficou guardada por mais de 60 anos, e traz Ella acompanhada do trio formado pelo pianista Don Abney, o baixista Vernon Alley e o baterista Frank Capp.

No repertório estão clássicos como "In A Mellow Tone", "My Heart Belongs To Daddy", "S'Wonderful", "I've Got a Crush On You" e "A Fine Romance". É imperdível poder ouvir esse registro histórico.

Quem também ganhou um lançamento do mesmo porte foi Monk, com o CD duplo Thelonious Monk: Les Liaisons Dangereuses 1960. A gravação perdida, feita em 1959, é a trilha sonora do filme dirigido por Roger Vadim.

E foi em 2017 que também foi comemorado o centenário do jazz. Segundo os historiadores, a primeira gravação de jazz aconteceu em 26 de fevereiro de 1917. O responsável foi o Original Dixieland Jazz Band, grupo formado por músicos brancos de Chicago.

Em 2018, vamos comemorar outros quatro centenários. O produtor Norman Granz (foto ao lado com Ella) foi um dos principais responsáveis por alavancar a carreira de Ella Fitzgerald.

Criador da gravadora Verve, Granz foi o criador do projeto Jazz at the Philharmonic, uma caravana que contava com grandes nomes do jazz.

O cantor Joe Williams, que fez história nas orquestra de Count Basie Orchestra e Lionel Hampton; o pianista Hank Jones, que tocou na década de 1940 com Ella; e por último o pianista Bebo Valdés, que foi um dos mais influentes músicos cubanos do século XX, e pai do também pianista Chucho Valdés.

Para terminar, em 2017, foi comemorado os 90 anos do nascimento de Tom Jobim, talvez o músico mais importante de toda história da música popular Brasileira. Entre os projetos dedicados ao maestro, estão o disco Paulo Jobim e Mario Adnet – Jobim, Orquestra e Convidados, da Biscoito Fino, e o disco Sinatra & Jobim @ 50, do guitarrista John Pizzarelli, que comemora os 50 anos do encontro histórico entre Tom Jobim e Frank Sinatra.

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Nina Simone entra no Rock and Roll Hall of Fame

A cantora Nina Simone foi indicada para o Rock and Roll Hall of Fame. Além dela, Dire Straits, Moody Blues, The Cars e Bon Jovi também farão parte deste seleto grupo no dia 14 de abril de 2018, quando acontecerá a tradicional cerimônia do Rock and Roll Hall of Fame, em Cleveland, Ohio, nos Estados Unidos.

Pianista, cantora e compositora, Nina Simone foi também uma ativista dos direitos civis dos negros e das mulheres. A cantora morreu aos 70 anos, em 2003, de câncer.

Apesar de ser uma das vozes lendárias do jazz e dos blues e da sua importância na música do século XX, a artista nascida em 1933, em Tyron, na Carolina do Norte, com o nome Eunice Waymon, nunca tinha sido indicada ao Rock and Roll of Fame. Seu nome artístico foi uma homenagem à atriz francesa Simone Signoret.



Entre os grandes temas imortalizados na sua voz estão "Mississipi Goddam", "Feeling Good", "I Put a Spell On You", "Ain’t Got No, I Got Life", "Ne Me Quitte Pas", "My Baby Just Cares For Me" e "Don't Let Me Be Misunderstood".

Para conhecer mais sobre a trajetória da cantora, assista ao documentário What Happened, Miss Simone?, de 2015, dirigido por Liz Garbus. Outra opção é o filme 'Nina, de 2016, estrelado por Zoe Saldana. Na época do lançamento do filme, Zoe foi criticada por ter sido escolhida para viver Nina Simone nas telas por ter a pele clara demais. Abaixo você encontra os trailers.





Veja abaixo, na íntegra, o DVD Live At Ronnie Scott Club, gravado no lendário clube de jazz londrino, em 1984.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Sarah Vaughan - Crazy and Mixed Up

Por 14 anos o Guia de Jazz esteve no ar com a missão de aproximar os internautas ao jazz. Um dos tópicos mais visitados era o de dicas de CDs, no qual dezenas de discos eram indicados e resenhados por mim. Infelizmente, com o fim do site em setembro de 2015, todo esse acervo foi "perdido".

Mas não totalmente perdido. Além do livro Jazz ao Seu Alcance - que traz todo o conteúdo do guia (dicas de CDs, DVDs, livros, entrevistas e muito mais) - você encontrará quinzenalmente neste blog algumas dicas de CDs publicadas anteriormente no site Guia de Jazz.

Sempre que possível, ao final de cada resenha você encontrará vídeos do Youtube com algumas faixas do disco indicado para escutar. Boa leitura e audição. Veja outras dicas de CDs aqui

Sarah Vaughan - Crazy and Mixed Up (1982)

Mais de duas décadas já se passaram desde a morte da divina Sarah Vaughan, em 1990. Ao lado de Billie Holiday e Ella Fitzgerald, Sassy completava a trinca das grandes cantoras de jazz. Em tempos de Diana Krall e Jane Monheit, ouvir qualquer disco de Sarah é fundamental para entender de onde vem a inspiração para as novas cantoras e perceber que a nova geração ainda tem um longo caminho pela frente.

O início de carreira de Sarah Vaughan é muito parecido com a de Ella Fitzgerald. Em 1934, Ella venceu o concurso de amadores do Apollo Teatre, no Harlem (EUA) e foi contratada pela orquestra de Chick Webb. Oito anos mais tarde, foi a vez de Sarah vencer o mesmo concurso e ser convidada para tocar com Earl Hines. Outros marcos em sua carreira são os trabalhos ao lado de Dizzy Gillespie e Charlie Parker e sua parceria com o trompetista Clifford Brown.

Escolher um único álbum dentro de uma obra tão extensa e rica como a de Sarah Vaughan é uma tarefa difícil, mas como acontece na discografia de todos os jazzistas, sempre há dois ou três títulos fundamentais.

No início dos anos 80, após anos gravando com orquestras, Sassy lançou o disco Crazy and Mixed Up, pela gravadora Pablo. Neste trabalho, acompanhada por um quarteto, a cantora foi responsável pela produção e teve total liberdade para escalar os músicos e escolher o repertório. O resultado foi um dos discos mais vibrantes e inspirados de toda sua carreira.


Sassy convidou nada menos que o guitarrista Joe Pass, que nos anos 70 fez discos antológicos com Fitzgerald, o veterano pianista Roland Hanna, o baixista Andy Simpkins e o baterista Harold Jones. O CD abre com o clássico “I Didn’t Know What Time It Was”, de Rodgers & Hart. Em seguida vem “That’s All”, com destaque para o solo de Hanna, que também comanda a singela “Seasons”. Em “In Love In Vain”, o trio formado por piano, baixo e bateria promove o clima ideal para Sassy mostrar sua técnica vocal única. O show continua com o casamento perfeito entre a guitarra de Pass e o scatt de Sassy em “Autumn Leaves”.

Assim como outros jazzistas, Sarah também se rendeu à música de Ivan Lins e regravou o tema ”Começar de Novo”, que em inglês ganhou o nome de “The Island”. O disco termina com outra composição inesquecível de Rodgers & Hart, “You Are Too Beautiful”, apenas com a cantora acompanhada pelo piano.

Este texto foi originalmente escrito dias depois da morte da cantora Anita O’ Day, no fim de 2006. A perda de Anita cria um vazio igual ao deixado por cantoras como Sarah, Ella, Billie, Carmen McRae e Betty Carter. É claro que ninguém é imortal e muito menos insubstituível, mas não podemos deixar de lembrar que essas cantoras foram a personificação da palavra diva.



terça-feira, 28 de novembro de 2017

Grammy 2018 - Os indicados

Como acontece sempre, no fim de ano, os indicados ao Grammy são divulgados. A edição de número 60 acontecerá no Madison Square Garden, em Nova York, no dia 28 de janeiro.

Os grandes destaques são o pianista Fred Hersch (foto abaixo), com o disco Open Book e o saxofonista Chris Potter (foto ao lado), com o disco The Dreamer Is The Dream.

Ambos concorrem em duas categorias, melhor tema de jazz e melhor disco de jazz.

O Brasil também está na disputa. Na categoria melhor disco de jazz latino, o veterano pianista Antonio Adolfo concorre com o disco Hybrido – From Rio To Wayne Shorter.

Na mesma categoria, a saxofonista Anat Cohen e o violonista brasileiro Marcello Gonçalves disputam o prêmio pelo disco Outra Coisa – The Music Of Moacir Santos. Na categoria melhor disco de world music, Anat também concorre ao lado do Trio Brasileiro, com o disco Rosa Dos Ventos. Abaixo você encontrará dois vídeos de Anat Cohen, um com Golçalves e o outro com o Trio Brasileiro.


OS INDICADOS:

Best Improvised Jazz Solo

“Can’t Remember Why” — Sara Caswell, soloist
“Dance Of Shiva” — Billy Childs, soloist
“Whisper Not” — Fred Hersch, soloist
“Miles Beyond” — John McLaughlin, soloist
“Ilimba” — Chris Potter, soloist

Best Jazz Vocal Album

The Journey — The Baylor Project
A Social Call — Jazzmeia Horn
Bad Ass And Blind — Raul Midón
Porter Plays Porter — Randy Porter Trio With Nancy King
Dreams And Daggers — Cécile McLorin Salvant

Best Jazz Instrumental Album

Uptown, Downtown — Bill Charlap Trio
Rebirth — Billy Childs
Project Freedom –Joey DeFrancesco & The People
Open Book — Fred Hersch
The Dreamer Is The Dream — Chris Potter

Best Large Jazz Ensemble Album

MONK’estra Vol. 2 — John Beasley
Jigsaw — Alan Ferber Big Band
Bringin’ It — Christian McBride Big Band
Homecoming — Vince Mendoza & WDR Big Band Cologne
Whispers On The Wind — Chuck Owen And The Jazz Surge

Best Latin Jazz Album

Hybrido – From Rio To Wayne Shorter — Antonio Adolfo
Oddara — Jane Bunnett & Maqueque
Outra Coisa – The Music Of Moacir Santos — Anat Cohen & Marcello Gonçalves
Típico — Miguel Zenón
Jazz Tango — Pablo Ziegler Trio











domingo, 29 de outubro de 2017

Wynton Marsalis é imortalizado no Hall of Fame

O inevitável finalmente aconteceu. Na edição de dezembro deste ano (2017), o trompetista norte-americano Wynton Marsalis entrou para o Hall Of Fame da revista DownBeat.

Pelo menos essa é a opinião dos leitores da octogenário revista. Anualmente, duas votações acontecem, uma feita pelos críticos e outra pelos leitores.

Aos 56 anos, Marsalis é um dos mais jovens músicos de jazz a entrar nesse seleto grupo, que nos últimos anos recebeu nomes como Phil Woods (2016), Tony Bennett (2015), B.B. King (2014) e Pat Metheny (2013). Na votação deste ano feita pelos críticos, o saudoso trompetista Don Cherry foi o escolhido para entrar no Hall of Fame.

Apesar da precocidade de entrar para esse grupo, ninguém que acompanha o jazz duvidava que Marsalis em breve seria lembrado por leitores ou críticos da revista. Com 30 anos de carreira, o trompetista é um dos mais respeitados músicos de sua geração, intitulado de young lions, que trouxe o jazz de volta às manchetes, no início da década de 1980.

Filho do pianista Elis Marsalis, irmão do saxofonista Branford Marsalis e nascido no berço do jazz, Nova Orleans, Marsalis parecia fadado a se tornar um músico de jazz. Mas seu perfeccionismo e sua paixão pelo música o tornaram quase que um embaixador do jazz.

Sua atuação à frente do Jazz at the Lincoln Center, como diretor artístico, é reconhecida como um das mais importantes e eficazes programas educacionais para multiplicar o número de músicos e ouvinte de jazz pelos Estados Unidos. Com sede na cidade de Nova York, a casa da Jazz at Lincoln Center Orchestra (foto abaixo) se tornou visita obrigatória para todo fã de jazz que visita a cidade. Saiba mais sobre a programação aqui.


Isso sem falar nos mais de 60 discos lançados - entre CDs de jazz e clássicos -, nove Grammys, sendo que continua até hoje, 30 anos depois, a ser o único músico a receber um Grammy no mesmo ano em duas categorias diferentes, e o primeiro jazzista a ganhar o prestigiado prêmio Pulitzer.

Abaixo você escuta na íntegra os discos J Mood (1986) , que levou o Grammy de melhor disco de jazz, e Black Codes ( From The Underground) (1985), que repetiu o premiação no ano seguinte.

O legado que Wynton Marsalis deixará para o jazz já está escrito. Os críticos podem continuar a dizer que ele parou no tempo, que sua obsessão pelo jazz tradicional é um erro para que o jazz continue a se desenvolver e um atraso para as novas gerações. Wynton sempre acreditou em suas convicções e assim continuará trilhando seu caminho.







terça-feira, 24 de outubro de 2017

Hugh Masekela - The Lasting Impressions of Ooga Booga

Por 14 anos o Guia de Jazz esteve no ar com a missão de aproximar os internautas ao jazz. Um dos tópicos mais visitados era o de dicas de CDs, no qual dezenas de discos eram indicados e resenhados por mim. Infelizmente, com o fim do site em setembro de 2015, todo esse acervo foi "perdido".

Mas não totalmente perdido. Além do livro Jazz ao Seu Alcance - que traz todo o conteúdo do guia (dicas de CDs, DVDs, livros, entrevistas e muito mais) - você encontrará quinzenalmente neste blog algumas dicas de CDs publicadas anteriormente no site Guia de Jazz.

Sempre que possível, ao final de cada resenha você encontrará vídeos do Youtube com algumas faixas do disco indicado para escutar. Boa leitura e audição. Veja outras dicas de CDs aqui

Hugh Masekela - The Lasting Impressions of Ooga Booga (1996)

Para quem ainda acha que Peter Gabriel (ex-Genesis), David Byrne (ex-Talking Heads) e Paul Simon (lançou o disco Graceland, com músicos africanos, em 1986) são os únicos responsáveis pela mistura de ritmos que foi rotulada de world music, fica aqui um aviso: eles chegaram tarde. Isso não quer dizer que não há mérito na preocupação desses três senhores em divulgar e usar a música africana, latina e oriental nos mais diferentes ritmos norte-americanos como o pop, o rock e o jazz.

Muito antes de Gabriel, Byrne e Simon, os Estados Unidos já tinham experimentado a fusão de sua música com ritmos de outras partes do mundo. Entre os músicos que iniciaram este casamento estão Dizzy Gillespie e Harry Belafonte. O primeiro mesclou o jazz com a música latina e o segundo introduziu a música africana e caribenha entre os ouvintes americanos. Filho de imigrantes caribenhos, Belafonte foi um dos mais influentes artistas negros dos anos 60 e foi o responsável pela vinda do trompetista sul-africano Hugh Masekela aos Estados Unidos.

Assim como a cantora Mirian Makeba e o saxofonista Fela Kuti, Masekela não renegou suas origens e conciliou como poucos a música africana com o jazz. O trompetista chegou a América aos 21 anos de idade, mas só faria sucesso em 1968, com a música “Grazing In the Grass”. Antes disso, o músico tocou em vários clubes de Nova York e casou-se com Makeba (a união durou apenas dois anos).



O disco The Lasting Impressions of Ooga Booga traz o registro do show realizado no Village Gate, em 1965. Originalmente, essas gravações foram lançadas em dois discos distintos, mas aqui estão juntas em um único CD. Para acompanhar seu trompete, ele escalou o habilidoso pianista Larry Willis, o baterista Henry Jenkins e o baixista Harold Dotson.

Logo de saída, Masekela abre espaço para três composições de Makeba, entre elas “Dzinorabiro”. Na sequência, Willis toca os primeiros acordes de “Cantaloupe Island”, de Herbie Hancock, e o jazz mostra-se por inteiro. O compositor Masekela aparece em “U-Dwi” e em “Mixolydia”, tema dedicado a Miles Davis e John Coltrane.

A música latina também tem espaço no repertório com “Con Mucho Carino” e “Mas Que Nada”, clássica melodia composta pelo brasileiro Jorge Ben Jor. O jazz volta a tomar conta na introspectiva “Where Are You Going?” e em “Bo Masekela”. Para fechar, Masekela toca “Unohilo”, composta pelo sul-africano Alan Salenga.

Em tempos de mundo globalizado e sem fronteiras e de um presidente norte-americano negro, a música de Hugh Masekela não poderia estar em um ambiente mais apropriado e atual. Parafraseando os estudiosos no assunto, a música é uma linguagem universal e deve ser usada para aproximar os povos e diminuir as diferenças culturais entre eles. Que assim seja.





terça-feira, 10 de outubro de 2017

Thelonious Monk chega aos 100

O jazz nunca mais foi o mesmo após o aparecimento do pianista norte-americano Thelonious Monk. No início da década de 1940, Monk mostrou ao mundo uma maneira única de tocar e ajudou Dizzy Gillespie e Charlie Parker a criar o bebop. o resto é história.

Em 2017, o mundo do jazz festeja o centenário do músico, nascido em 10 de outubro de 1917. Ele morreu aos 64 anos, em 17 de fevereiro de 1982.

A excentricidade do toque de Monk, sua inquietação ao se apresentar ao vivo e, é claro, seus inseparáveis chapéus chamativos acabaram criando uma figura, muitas vezes, não compreendida pelos críticos. Mas Monk era Monk. Ela tocava o que sentia e da maneira que queria.

Sua genialidade ficou marcada em hinos do jazz como "Round Midnight", "Epistrophy" e "Blue Monk". Em 2005, uma gravação perdida ao lado do saxofonista John Coltrane, gravada no Carnegie Hall, em 1957, trouxe para as novas gerações todo o espírito inovador de dois gênios do jazz. Ouça abaixo o disco na íntegra.



A discografia de Monk tem momentos marcantes. Além do citado disco com Coltrane, preciosidades como Live At The It Club, de 1964, Monk's Blues, de 1968, ao lado da orquestra comandada por Oliver Nelson, e Brilliant Corners, de 1956, com Sonny Rollins no sax, são gravações fundamentais para se "entender" a obra, a complexidade e a forma única de Monk se expressar.

Em 1988, o filme A Vida e a Música de Thelonious Monk, que em inglês se chama Monk: Straight, No Chaser, mostra cenas inéditas do pianista nos bastidores, no palco e em seu cotidiano. As imagens filmadas por Michael e Christian Blackwood ficaram "hibernando" por anos até que o cineasta Bruce Ricker colocou suas mãos nelas.

Em 2016, o pianista e arranjador John Beasley lançou o projeto MONKestra, que traz a obra de Monk arranjada para uma big bang. Os dois volumes comandados por Beasley foram lançados pela gravadora Mack Avenue. Veja a seguir uma faixa deste CD.



A seguir você encontra, na íntegra, um dos discos mais marcantes do pianista e uma apresentação gravada na Dinamarca e na Noruega, em 1966. Destaque para o saxofonista Charlie Rouse.



terça-feira, 26 de setembro de 2017

Jazz na Espanha deve muito a Cifu

Por quatro décadas o jornalista francês, radicado na Espanha, Juan Claudio Cifuentes dedicou sua vida ao ofício de divulgar e propagar o jazz.

Sua missão foi mais que bem sucedida. Cifu, como era conhecido, se tornou referência sobre o assunto e usou todo o seu conhecimento e didatismo para levar o jazz para as massas.

Cifu comandou os programas de rádio Jazz Porque Sí e A todo jazz por 40 anos, além de Jazz Entre Amigos, programa de TV que foi ao ar na Espanha, entre 1984 e 1991.

Morto em 2015, aos 74 anos, Cifu foi homenageado em 2017 com o livro Juan Claudio Cifuentes, una vida de jazz, una vida con swing, escrito por Antoni Juan Pastor. Na foto abaixo, Cifuentes está ao lado do pianista norte-americano McCoy Tyner.



O legado deixado por Cifu está ao alcance de todos na internet. Você encontra aqui dezenas de edições do programa Jazz Entre Amigos.

A cada programa, Cifu retrata um músico de jazz, conta deliciosas histórias sobre sua trajetória e apresenta shows na íntegra. Entre os músicos retratos estão nomes como Oscar Peterson, Charlie Parker, Ben Webster e Pat Metheny.

Também estão disponíveis dezenas de programa A Todo Jazz. Você pode ouvi-los aqui. Entre as edições estão especiais com Bill Evans, Stan Getz, Dave Brubeck, entre outros. Saiba mais sobre Cifuentes no site oficial do jornalista. Clique aqui

Abaixo você encontra uma edição na íntegra do programa Jazz Entre Amigos

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Squirrel Nut Zippers - Bedlam Ballroom

Por 14 anos o Guia de Jazz esteve no ar com a missão de aproximar os internautas ao jazz. Um dos tópicos mais visitados era o de dicas de CDs, no qual dezenas de discos eram indicados e resenhados por mim. Infelizmente, com o fim do site em setembro de 2015, todo esse acervo foi "perdido".

Mas não totalmente perdido. Além do livro Jazz ao Seu Alcance - que traz todo o conteúdo do guia (dicas de CDs, DVDs, livros, entrevistas e muito mais) - você encontrará quinzenalmente neste blog algumas dicas de CDs publicadas anteriormente no site Guia de Jazz.

Sempre que possível, ao final de cada resenha você encontrará vídeos do Youtube com algumas faixas do disco indicado para escutar. Boa leitura e audição. Veja outras dicas de CDs aqui

Squirrel Nut Zippers - Bedlam Ballroom (2000)

No início da década de 1900, o cenário do jazz foi invadido por uma nova onda, o neo swing. Grupos como Big Bad Voodoo Daddy, Royal Crown Revue, Cherry Poppin’ Daddies e até mesmo Brian Stezer, ex-vocalista do grupo Stray Cats, trouxeram a essência do dixieland e do hot jazz para uma geração de ouvintes que dificilmente se interessariam por esse tipo de jazz, que dominou o cenário musical norte-americano no início do século XX.

Além dos nomes citados, o grupo norte-americano Squirrel Nut Zippers foi outro representante deste movimento. Capitaneado pelos vocalistas Katherine Whalen e Jim Mathus, os Zippers apareceram em 1995, com o disco Hot, que trazia o sucesso “Hell”. Mas o disco em destaque aqui é Bedlam Ballroom, de 2000, o quinto do grupo.

Antes de Bedlam ser lançado, o grupo passou por dois anos conturbados. O trompetista Stacy Guess morreu de overdose de heroína, Tom Maxwell, um dos compositores dos Zippers, saiu em carreira solo e a vocalista Katherine e seu marido Matheus tiveram um bebê.



Com a saída de Maxwell, é possível notar que o casal Katherine e Mathus está mais à vontade musicalmente. Acompanhados de uma pequena big band, com direito a trombone, sax, trompete e banjo, eles abrem o disco com “Bedbugs”, uma levada latina que vai fazer você chacoalhar.

Nas baladas, “Bent Out of Shape” e “Hush”, Whalen, que tem um timbre parecido com Billie Holiday, mostra uma faceta diferente dos Zippers. A mistura dos ritmos flamenco, salsa e funk cria uma atmosfera um pouco diferente dos discos anteriores, o que é muito sadio.

O suingue abre espaço nas faixas “Stop Drop & Roll”, “Just This Side of Blue” e “Baby Wants a Diamond Ring”. Para fechar, as retrôs “Don’t Fix It”, com destaque para o trombone de David Wright, e “Do It This Way”.

Apesar do neo swing não ter sobrevivido ao século XXI, o movimento serviu para resgatar a mais pura essência do jazz, quando pequenos combos andavam pelas ruas de Nova Orleans e três senhores chamados Louis (Prima, Armstrong e Jordan) ajudaram a disseminar um dos mais contagiantes gêneros do jazz, o swing.

Outro disco que vale procurar é It’s Tight Like That, do guitarrista canadense Jeff Healey. Lançado em 2006, o CD mostra uma faceta desconhecida do bluseiro, que por vários anos apresentou um programa de rádio apenas tocando jazz.

No disco, que conta com a participação do veterano trombonista Chris Barber, Healey canta, toca trompete e interpreta clássicos dos anos 20 e 30, entre eles “Keep It to Yourself” e “Basin Street Blues”.





terça-feira, 22 de agosto de 2017

Programa Tiny Desk desnuda a eloquência do jazz

O programa Tiny Desk, da rádio pública dos EUA (NPR), tem uma proposta interessante para receber artistas de diferentes vertentes musicais.

Gravado no escritório da rádio, em Washington, rodeado por livros, discos e estantes, o inusitado cenário deixa a apresentação intimista e o músico muito à vontade.

Com sets de aproximadamente 20 minutos, muitos artistas aproveitam o ambiente aconchegante para interpretar suas músicas com novos arranjos e muitas vezes em formato acústico. O resultado - além de lindo - são registros marcantes e autorais.

Criado e apresentado por Bob Boilen - dono da mesa que aparece no cenário do programa -, em 2008, o Tiny Desk preza, acima de tudo, pelo novo, pelo inusitado e pelo diferente.

Boilen aprecia música e isso o deixa longe de preconceitos ou de modismo. O programa se tornou referência para internautas que procuram novos rumos musicais.



Na seara do jazz, diferentemente de outros tipos de música, o programa não se preocupa em trazer músicos desconhecidos. Parece que o jazz é tratado de uma maneira diferente, com mais cerimônia, com mais cuidado. Mas pouco importa.

O que interessa é que por aqui já passaram nomes como Chick Corea e Gary Burton (foto), Charles Lloyd, Jason Moran, Esperanza Spalding, Terence Blanchard, Gregory Porter e tantos outros.

Na player abaixo, há uma seleção de vários programas exclusivamente com músicos de jazz. É só procurar o que mais gosta e começar a desfrutar. Mais abaixo, há links para fazer o download de alguns desses programas na íntegra. É só clicar no nome do músico. Bom divertimento.



René Marie

Chick Corea & Gary Burton

Charles Lloyd & Jason Moran

Gregory Porter

Jane Bunnett e Maqueque

Ravi Coltrane Quartet

Eddie Palmieri

Donny McCaslin

Sun Ra Arkestra

Vijay Iyer Trio

sábado, 5 de agosto de 2017

Blue Note Rio

Apesar de todo o problema que a cidade do Rio de Janeiro passa, é inegável dizer que ela continua sendo o principal destino turístico do país. Obviamente que tudo seria melhor se o Rio não tivesse sido saqueado por políticos inescrupulosos, por policiais corruptos e pelos traficantes.

O Rio tinha tudo para ser abandonado a própria sorte. Mas o cidadão carioca se recusa a abrir mão do seu bem mais precioso: sua liberdade de poder ir e vir e da sua tão amada Cidade Maravilhosa.

A prova da força do Rio e do seu cidadão pode ser mais uma vez vista com a chegada do clube de jazz Blue Note, que tem inauguração prevista para o fim de agosto.

A tradicional casa de jazz nova-iorquina - inaugurada em 1981 - é conhecida pelos seus shows de jazz de alta qualidade. Além de Nova York, a Blue Note tem filiais na California, Havaí, Milão, Pequim, Tóquio e Nagoya. O Rio será a sua primeira unidade no Hemisfério Sul.

Segundo Luiz Calainho, que comanda a holding L21, o investimento inicial para abrir a filial carioca, que funcionará onde era a Miranda, na Lagoa Rodrigo de Freitas, é de US$ 1,2 milhão.

Com 350 lugares, o Blue Note Rio também contará com almoços semanais, regados a shows de jazz, e brunchs aos domingos; um chef já de renome comandará a gastronomia do local.

Pela programação já divulgada pela casa, o Blue Note Rio tem tudo para se tornar o mais importante palco da música instrumental brasileira e do jazz no país.

Para a inauguração, no dia 31 de agosto, o público terá a oportunidade inédita de assistir ao encontro do pianista Nelson Ayres, com o Trio da Paz e o pianista João Donato, e o encontro entre o saxofonista Carlos Malta e os percussionista Robertinho Silva e Marcos Suzano. O Trio da Paz é formado pelo violonista Romero Lubambo, o baixista Nilson Matta e o baterista Duduka Fonseca.

As atrações internacionais já anunciadas também vão fazer a alegria dos fãs de jazz. Entre eles estão Chick Corea & Steve Gadd, em 20 de outubro, Maceo Parker, nos dias 7 e 8 de setembro, Spyro Gyra, de 2 a 4 de novembro, e Chris Botti, de 5 a 8 de outubro.

Entre o shows brasileiros já agendados, vale registrar os encontros entre a cantora Leny Andrade e o guitarrista Nelson Faria, no dia 2 de setembro. Quem também terá companhia no palco do Blue Note será o bruxo Hermeto Pascoal, que recebe o veterano guitarrista Heraldo do Monte, no dia 28 de setembro.

Outro dueto que deve atrair o público é entre o saxofonista Leo Gandelman e o violonista Dori Caymmi, no dia 2 de setembro. Mas a atração mais aguardada de todas deve ser mesmo a apresentação do pianista Sergio Mendes, nos dias 9 e 10 de setembro. Mendes mora há 40 anos dos Estados Unidos e raramente se apresenta no Brasil.

Outro ponto positivo é que o sistema de dois shows por noite da mesma atração - exatamente como acontece em outras filias do Blue Note ao redor do mundo - foi mantido pelos administradores brasileiros. Assim, o público terá mais ingressos à disposição.

A chegada do Blue Note ao Rio de Janeiro ainda serve para alegrar os órfãos de espaços como o Mistura Fina, Canecão e a Modern Sound, três importantes e tradicionais redutos de shows na cidade que fecharam nos últimos anos. Para ter mais detalhes sobre a casa e sua programação, visite o Facebook oficial aqui.

PROGRAMAÇÃO

30/08 – Quarta-feira
Abertura para convidados com a Brazil Jazz Stars

31/08 – Quinta
20h — Brazil Jazz Stars com Trio da Paz e Nelson Ayres
22h30 — Brazil Jazz Stars com Carlos Malta, Robertinho Silva e Marcos Suzano

01/09 – Sexta
20h — Brazil Jazz Stars com Monica Salmaso e Guinga
22h30 — Brazil Jazz Stars com Azymuth e Marcos Valle

02/09 – Sábado
20h — Brazil Jazz Stars com Dori Caymmi
22h30 — Brazil Jazz Stars com Leny Andrade, Nelson Faria e Ney Conceição

06/09 - Quarta
20h — Jaques Morelenbaum convida Mayra Andrade

07/09 - Quinta
20h — Maceo Parker
22h30 — Maceo Parker

08/09 – Sexta
21h — Maceo Parker
23h30 — Maceo Parker

09/09 – Sábado
21h — Sergio Mendes
23h30 — Sergio Mendes

10/09 – Domingo
20h — Sergio Mendes
22h30 — Sergio Mendes

13/09 - Quarta
20h — Jaques Morelenbaum convida Jan Dumée & Wim Dijkgraaf

16/09 – Sábado
21h — Baby do Brasil
23h30 — Baby do Brasil

17/09 – Domingo
20h — Baby do Brasil
22h30 — Baby do Brasil

20/09 - Quarta
20h — Jaques Morelenbaum convida Diego Schissi

21/09 – Quinta
20h — Banda Black Rio
22h30 — Banda Black Rio

22/09 – Sexta
21h — Banda Black Rio
23h30 — Banda Black Rio

23/09 — Sábado
21h — Orquestra Atlântica
23h30 — Orquestra Atlântica

27/09 - Quarta
20h — Anne Paceo

28/09 - Quinta
20h — Hermeto Pascoal e Heraldo do Monte
22h30 — Hermeto Pascoal e Heraldo do Monte

29/09 - Sexta
21h — Wagner Tiso e Tunai
23h30 — Wagner Tiso e Tunai

30/09 - Sábado
21h — Orquestra Atlântica
23h30 — Orquestra Atlântica

04/10 - Quarta
20h — Ala.Ni

05/10 – Quinta
20h — Chris Botti 22h30 — Chris Botti

6/10 – Sexta
21h — Chris Botti
23h30 — Chris Botti

07/10 – Sábado
21h — Chris Botti
23h30 — Chris Botti

08/10 – Domingo
20h — Chris Botti

22h30 — Chris Botti

11/10 - Quarta
20h — Teresa Salgueiro
22h30 — Teresa Salgueiro

12/10 – Quinta
20h —Teresa Salgueiro
22h30 — Teresa Salgueiro

20/10 – Sexta
21h — Chick Corea & Steve Gadd Band
23h30 — Chick Corea & Steve Gadd Band

01/11 - Quarta
20h — Banda Mantiqueira
22h30 — Banda Mantiqueira

02/11 - Quinta
20h — Spyro Gyra
22m30 — Spyro Gyra

03/11 - Sexta-feira
21h — Spyro Gyra
23h30 — Spyro Gyra

04/11 - Sábado
21h — Spyro Gyra
23h30 — Spyro Gyra

15/11 - Quarta
20h — Laura Perrudin

16/11 - Quinta
20h — Didier Lockwood Trio
22h30 — Didier Lockwood Trio

17/11 – Sexta-feira
21h — Antonio Carlos e Jocafi com Ithamara Koorax
23h30 — Brazil Jazz Stars

18/11 - Sábado
21h — Antonio Carlos e Jocafi com Ithamara Koorax
23h30 — Brazil Jazz Stars

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Jazz na Fábrica - 2017

O festival Jazz na Fábrica chega a sua 7° edição, entre os dias 10 e 27 de agosto, no SESC Pompeia (SP), mantendo a proposta de misturar jazz de várias vertentes e de vários países. Ao todo, serão 17 diferentes atrações de oito países.

Os destaques desta edição são o trompetista norte-americano Roy Hargrove, acompanhado pela cantora italiana Roberta Gambarini, o "bruxo" Hermeto Pascoal, o cantor e baixista norte-americano Thundercat (foto), e o veterano pianista sul-africano Abdullah Ibrahim.

Hargrove deveria ter participado da edição de 2015 do festival, mas por motivo de saúde, sua apresentação foi cancelada.

Os shows acontecem durante todo o mês de agosto, entre quinta e domingo. O espectador terá duas oportunidades para ver o seu artista preferidos. Todos os músicos tocarão em dois dias diferentes.

VEJA ABAIXO AS DATAS:

10/08
Eddie Allen (EUA)

11/08
Nenê Trio (Brasil) + Itamar Borochov (Israel)
Eddie Allen (EUA)

12/08
Hermeto Pascoal e Grupo (Brasil)
Eddie Allen (EUA)

13/08
Jazzmin's (Brasil)
Hermeto Pascoal e Grupo (Brasil)

17/08
Globe Unity Orchestra (Alemanha)
Thundercat (EUA)

18/08
Globe Unity Orchestra (Alemanha)
Thundercat (EUA)

19/08
Abdullah Ibrahim (África do Sul)
Jimmy Dludlu (Moçambique)

20/08
Emiliano Sampaio e Soundscape Big Band (Brasil)
Abdullah Ibrahim (África do Sul)

24/08
Amaro Freitas (Brasil) + Hadar Noiberg (Israel)
Roy Hargrove (EUA) part. Roberta Gambarini (Itália)

25/08
Chicuelo-Mezquida (Espanha)
Roy Hargrove (EUA) part. Roberta Gambarini (Itália)

26/08
Annette Peacock (EUA)
Debo Band (EUA)

27/08
Pat Thomas (Gana)
Annette Peacock (EUA)
Debo Band (EUA)





quinta-feira, 20 de julho de 2017

Prêmio da Música Brasileira - Os vencedores

No dia 19 de julho, no Theatro Municipal do Rio, aconteceu a 28° edição do Prêmio da Música Brasileira.

O homenageado da noite foi o cantor Ney Matogrosso. O cantor completa no dia 1 de agosto 76 anos de idade, sendo que mais de 40 anos dedicados à musica.

Veja abaixo todos os indicados e os vencedores (as mãos indicam os vencedores) nas 35 categorias da premiação.

O saxofonista baiano Letieres Leite (foto), que comanda a Orkestra Rumpilezz, ganhou três prêmios na categoria instrumental, entre eles o de melhor disco com o álbum A Saga da Travessia


MPB

Álbum:
"Abraçar e agradecer" (Maria Bethânia)
"Batom bacaba" (Patricia Bastos)

"The bridge" (Lenine e Martin Fondse Orchestra)

Cantor:
João Fenix ("De volta ao começo")
Vidal Assis ("Álbum de retratos")

"Lenine ("The bridge")

Cantora:
Patricia Bastos ("Batom bacaba")
Zizi Possi ("O mar me leva")

Maria Bethânia ("Abraçar e agradecer")

Grupo:
Quarteto em Cy ("Janelas abertas")
Tão do Trio ("Flor de dor: Tão do Trio canta Etel Frota)

MPB4 ("O sonho, a vida, a roda viva!")

MELHOR CANÇÃO:
"Dizputa" (Carol Naine)
"Nunca mais vou jurar" (Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz e Marcelinho Moreira)
"Descaração familiar" (Tom Zé)


REVELAÇÃO:
Liniker e Os Caramelows ("Remonta")
Vidal Assis ("Álbum de retratos")

BaianaSystem ("Duas cidades")

CANÇÃO POPULAR

Álbum:
"Cine ruptura" (Saulo Duarte e a Unidade)
"Gatos e ratos" (Odair José)

"Elza canta e chora Lupi" (Elza Soares)

Dupla:
Leonardo e Eduardo Costa ("Cabaré night club")
Milionário e Marciano ("Lendas")

Zezé di Camargo e Luciano ("Dois tempos")

Grupo:
Roupa Nova ("Todo amor do mundo")
Samuca e a Selva ("Madurar")

Saulo Duarte e a Unidade ("Cine ruptura")

Cantora:
Ellen Oléria ("Afrofuturista")
Elza Soares ("Elza canta e chora Lupi")

Ivete Sangalo ("Acústico em Trancoso")

Cantor:
Luiz Caldas (Pré-axé")
Romero Ferro ("Arsênico")

Odair José ("Gatos e ratos")

POP/ ROCK/ REGGAE/ HIP-HOP/ FUNK

Álbum:
"Palavras e sonhos" (Luiz Tatit)
"Tropix" (Céu)

"Canções eróticas de ninar" (Tom Zé)

Grupo:
Metá Metá ("MM3")
O Terno ("Melhor do que parece")

BaianaSystem ("Duas cidades")

Cantora:
Céu ("Tropix")
Larissa Luz ("Território conquistado")

Maria Gadú ("Guelã ao vivo")

Cantor:
Silva ("Silva canta Marisa")
Zeca Baleiro ("Era domingo")

Rael ("Coisas do meu imaginário")

SAMBA

Álbum:
"De bem com a vida" (Martinho da Vila)
"O quintal do Pagodinho: Ao vivo - Vol. 3" (Zeca Pagodinho)

"Samba original" (Pedro Miranda)

Cantora:
Mart'nália ("Misturado")
Teresa Cristina ("Teresa Cristina canta Cartola")

Roberta Sá ("Delírio no Circo")

Cantor:
Martinho da Vila ("De bem com a vida")
Pedro Miranda ("Samba original")

Zeca Pagodinho ("O quintal do Pagodinho: Ao vivo - Vol. 3")

Grupo:
Galocantô ("Pano verde")
Grupo Bongar ("Samba de gira")

Casuarina ("7")

REGIONAL

Álbum:
"Celebração" (Valdir Santos)
"Vivo! Revivo!" (Alceu Valença)

"Cabaça d'água" (Alberto Salgado)

Grupo:
Serelepe ("Forró por aí...")
Viola Quebrada ("Meus retalhos")

Grupo Rodeio ("Trilhando o Rio Grande")

Dupla:
Caju e Castanha ("O papo no WhatsApp")
Craveiro e Cravinho ("Canta Tonico e Tinoco")

Zé Mulato e Cassiano ("Bem-humorados")

Cantor:
Alberto Salgado ("Cabaça d'água")
Raymundo Sodré ("Os girassóis de Van Gogh")

Alceu Valença ("Vivo! Revivo!")

Cantora:
Dona Onete ("Banzeiro")
Socorro Lira ("Cores do Atlântico")

Ana Paula da Silva ("Raiz forte")

INSTRUMENTAL

Álbum:
"Alegria" (Hamilton de Holanda)
"Outra coisa" (Anat Cohen e Marcello Gonçalves)

"A saga da travessia" (Letiers Leite e Orkestra Rumpilezz")

Solista:
Hamilton de Holanda
Mestrinho

Toninho Ferragutti

Grupo:
Banda Mantiqueira ("Com alma")
Trio Madeira Brasil ("Ao vivo em Copacabana")

Letiers Leite e Orkestra Rumpilezz ("A saga da travessia")

Arranjador:
Luis Felipe de Lima (por "Samba original, de Pedro Miranda)
Zé Manoel (por "Delírio de um romance a céu aberto", de Zé Manoel)

Letieres Leite (por "A saga da travessia, de Letieres Leite e Orkestra Rumpilezz")

Projeto visual:
Filipe Cartaxo (por "Duas cidades", de BaianaSystem)
Mário Niveo (por "Jardim pomar", de Nando Reis)

Giovanni Bianco (por "Amor geral", de Fernanda Abreu)

CATEGORIAS ESPECIAIS

Álbum eletrônico:
"Incerteza" (Retalho)
"Subtropical temperado" (Projeto CCOMA)

"Craca, Dani Nega e o dispositivo tralha" (Craca e Dani Nega)

Álbum infantil:
"Farra dos Brinquedos" (Farra dos Brinquedos)
"Vem dançar" (Pequeno Cidadão)

"Os saltimbancos sinfônico" (Orquestra Petrobras Sinfônica)

Álbum em língua estrangeira:
"Old friends (the songs of Paul Simon)" (Ritchie e Black Tie)
"Perpetual gateways" (Ed Motta)

"Yentl em concerto" (Alessandra Maestrini)

Álbum erudito:
"Latinidade, música para as Américas" (Orquestra Ouro Preto)
"Radamés toca Radamés" (Quarteto Radamés Gnatalli)

"Ernesto Nazareth integral" (Maria Teresa Madeira)

Álbum projeto especial:
"A luneta do tempo" (Alceu Valença)
"Irineu de Ameida e o oficleide 100 anos depois" (vários artistas)

"Delírio de um romance a céu aberto" (Zé Manoel)

Melhor DVD:
"A democracia da madeira" (vários artistas)
"Dobrando a Carioca" (Zé Renato, Moacyr Luz, Jards Macalé e Guinga)

"Rainha dos raios ao vivo" (Alice Caymmi)

Escute na íntegra o disco A Saga da Travessia, de Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz, vencedor de melhor grupo e disco instrumental.